Apostilas | O nosso socorro II | Comunidade Cristã Amor e Graça

 
 
  O nosso socorro II

O nosso socorro II

Texto: “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares; ainda que as águas tumultuem e espumejem e na sua fúria os montes se estremeçam.” (Salmo 46:1-3).

 


Introdução: Quem conhece Deus como Pai e ajudador, não precisa ter medo de nada.

 


1. O nosso consolador nas tristezas

 


“Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se estiveras aqui, não teria morrido meu irmão. Mas também sei que, mesmo agora, tudo quanto pedires a Deus, Deus te concederá. Declarou-lhe Jesus: Teu irmão há de ressurgir. Eu sei, replicou Marta, que ele há de ressurgir na ressurreição, no último dia. Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês isto? Sim, Senhor, respondeu ela, eu tenho crido que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo.” (João 11:21-27)

 


Marta acreditava, como muitos creem nos dias atuais, “no Deus da presença”. Ela usou a frase: “Se o Senhor estivesse aqui”. Jesus mostrou para ela, que Ele não precisava estar ali para o milagre acontecer. Muitos possuem esse pensamento quando dizem: Se tivesse conhecido Jesus antes, não teria cometido esse erro! Se tivesse conhecido Jesus antes, não faria isso! Não seria mais fácil dizer: Sei que o Senhor mesmo hoje pode mudar minha vida!

 


2. O nosso auxílio no trabalho árduo

 


“Sê forte e corajoso, porque tu farás este povo herdar a terra que, sob juramento, prometi dar a seus pais. Tão-somente sê forte e mui corajoso para teres o cuidado de fazer segundo toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita nem para a esquerda, para que sejas bem-sucedido por onde quer que andares.” (Josué 1:6-7)

 


Josué, o sucessor de Moisés, tinha uma difícil tarefa, isto é, conduzir o povo até a terra prometida e a tarefa era árdua, porém o Senhor o ajudou e fortaleceu. Quanto a Moisés, teve menos trabalho do que Josué e achou seu trabalho árduo e pediu para Deus que levantasse homens para ajudá-lo, coisa que Josué nunca pediu. Por que para Moisés o trabalho foi tão árduo e para Josué que lutou muito mais que ele não foi? Tudo está no chamado. Para Moisés o seu chamado era uma cruz, mas para Josué era um prazer fazer o serviço do Senhor.

 


3. Quem nos anima nas decepções

 


“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Romanos 8:28). Podemos passar por aflições, crises e decepções, porém a instrução de Jesus é que tenhamos bom ânimo. Veja: “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (João 16:33). As decepções são frutos das atitudes precipitadas da carne. Queremos tudo ao nosso tempo. Aí vêm as frustrações e nascem as tribulações. 

 


4. O nosso refúgio em qualquer situação

 


“Mas agora, assim diz o Senhor, que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Porque eu sou o Senhor, teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; Visto que foste precioso aos meus olhos, digno de honra, e eu te amei, darei homens por ti e os povos, pela tua vida.” (Is 43:1-4).

 

 

Conclusão: Como é feliz aquele que tem Deus como o seu Pai. Veja o que diz o Salmo 46:10-11: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio”.






Voltar