Apostilas | Questões sobre a fé | Comunidade Cristã Amor e Graça

 
 
  Questões sobre a fé

Questões sobre a fé

Texto: Marcos 6:1-6 

 


Introdução: Vamos tentar descobrir a razão pela qual muitos da cidade de Nazaré ficaram privados da manifestação do poder que emanava de Jesus.

 


1- Reconhecendo o Poder, mas questionando a Fonte.

 


Os habitantes de Nazaré, ao analisarem o ministério de Jesus, embora reconhecessem Sua sabedoria, bem como os milagres realizados por Ele, tinham dificuldades de identificar a fonte de todo esse poder. Não percebiam que tudo provinha de Deus. Esse exemplo é o mesmo que acontece conosco.

 

Quanto mais uma pessoa conhece a outra, menor será a possibilidade dela acreditar na manifestação de Deus através dessa pessoa. O ser humano tem essa dificuldade em separar a carne do espírito. 

 

Infelizmente o ser humano é assim! Para respeitar, precisa manter distância. Por isso que os lideres evitam o contato mais próximo com muitos membros de igrejas, para que essas não percam o temor, a reverência e a visão espiritual.

 


Por ser Jesus uma pessoa tão conhecida na cidade, lugar onde viveu sua infância, sendo dali toda a sua parentela, ficava difícil para muitas pessoas dissociar o menino de Nazaré, do Senhor e Mestre que ali estava. Como alguém conhecido desde pequeno, como uma pessoa comum e igual a todas as demais, poderia agora estar realizando milagres da parte de Deus? Alguns pensavam ser uma técnica especial aprendida; outros, artes mágicas; e assim por diante; menos poder de Deus.

 


Os que viveram longe de Jesus no passado, mas voltaram para o seu lugar de origem depois da experiência do novo nascimento, estão sujeitos às mesmas dificuldades. Pode ser difícil para os amigos mais íntimos acreditarem numa mudança de vida, principalmente quando a imagem de quem a pessoa foi ainda esteja tão nítida na memória. (Mateus  10:34-36).

 


Mas a transformação genuína não ficará encoberta. Muitos hão de perceber que algo novo aconteceu e glorificarão a Deus por esse motivo.

 


2 – Sentindo-se ofendidos e enganados por Jesus

 


Quando a Bíblia diz que os de Nazaré “escandalizavam-se n'Ele”, quer dizer que muitas pessoas estavam se sentindo enganadas por um suposto falso profeta. Era como se Ele fosse uma pedra de tropeço no caminho, da qual todos deviam se afastar. Eles se sentiam ofendidos e traídos por alguém da própria terra e, definitivamente, não estavam dispostos a crer que o filho do carpinteiro pudesse ser o Messias prometido. O mesmo acontece nos dias atuais. Você se torna um cristão e começa a professar novas palavras. No entanto, as pessoas que conheceram seu passado, ou conseguem observar, que mesmo sendo cristão você continua tendo falhas, se escandalizam e se sente enganadas por você. Por isso que muitas vezes o cristão tem que se afastar de incrédulos e até mesmo na igreja, um obreiro ou pastor deve manter certa distância dos membros. 

 


Para muitas pessoas a mensagem do Evangelho lhes parece loucura. Eles se justificam alegando insensatez acreditar num livro escrito por homens, ou aceitar a história do Jardim do Éden (I Coríntios 1:18). No entanto, para nós, o Evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê (Romanos 1:16).

 


3 – Privando-se das melhores bênçãos

 


Tudo isso termina de forma muito triste. A cidade na qual Jesus gostaria de ver os maiores milagres deixou de ver a glória de Deus passando por ali. A única razão que a Bíblia registra para tamanha ausência de poder, não estava numa eventual falta de inspiração para curar ou realizar milagres, e sim, na incredulidade daqueles que não conseguiam ver em Jesus, o Filho do Deus Vivo. A lembrança do “carpinteiro” ainda era mais forte do que a visão de quem havia descido dos céus. Por causa disso, ficaram privados de uma bênção maior (Hebreus 3:12-19).

 


Muitas pessoas, infelizmente, continuam se privando do melhor que Deus tem a oferecer quando deixam de conhecer a Jesus de uma forma íntima e pessoal.

 


Se cada pessoa abrisse o coração e deixasse a Palavra penetrar revelando Cristo dentro dela, todas as coisas passariam a ter um significado especial. Todos poderiam falar da Graça de Jesus com maior sabedoria e intrepidez, testemunhando as bênçãos do Senhor em sua vida. A Bíblia, a Igreja, e todas as demais coisas relacionadas ao Reino de Deus, não seriam mais vistas como coisas estranhas, e sim como recursos divinos para aproximar o homem do caminho celestial.

 


Conclusão: As pessoas de Nazaré deixaram passar a oportunidade de ter suas vidas totalmente transformadas. Não conseguiram perceber que Aquele homem era o Deus que se fez carne e habitou entre nós. Deixaram de ver milagres, curas e, acima de tudo, perderam a oportunidade de receber o Evangelho da Graça de Deus.

 






Voltar