Apostilas | Destruindo velhas tradições | Comunidade Cristã Amor e Graça

 
 
  Destruindo velhas tradições

Destruindo velhas tradições

Neste estudo falaremos sobre a necessidade de se romper com as velhas tradições estabelecidas na mente, para podermos conter o novo vinho em nós a fim de preservarmos a vida em Graça.

 

Um odre era feito de peles de carneiro, flexíveis. Enquanto novo, o odre tinha a capacidade de se esticar à medida que o vinho novo ia se expandindo dentro dele. Quando se tornava velho, perdia sua capacidade elástica, tornando-se rígido demais. Qualquer porção de um novo vinho ali depositado seria o bastante para provocar a ruptura do recipiente, já em seu limite de expansão.

 

 

O vinho novo representa a Graça, e os odres, nossas estruturas de mente. (Marcos 2:18-22)
Vejamos o que nos ensina a lição de hoje.

 

 


1 – Desfrutando da Presença do Noivo – Esta história começa com uma discussão envolvendo os discípulos de João e os fariseus, que perguntavam sobre a razão dos discípulos de Jesus não jejuarem. O Mestre, sabiamente, utiliza-se da ilustração do noivo e de seus convidados, que numa festa de casamento não podiam estar pensando em jejum. Ele procura mostrar que numa ocasião assim é mais comum a alegria e a descontração dos convidados, do que a reverência e luto dos que jejuam.

 


Jesus queria que as pessoas percebessem que o Noivo estava presente, e, por isso, seus convidados festejavam. Ele próprio era o Noivo que alegrava o arraial, embora muitos não desfrutassem de Sua presença.

 


Os religiosos permaneciam em seus rituais costumeiros, incluindo a própria prática do jejum, deixando de aproveitar a companhia d'Aquele que se fez carne para habitar entre nós.

 


Jesus estava ali, mas muitos O procuravam em outro lugar. Além disso, os crentes continuam em jejum a espera desse noivo quando a bíblia cita que Jesus é hoje o marido da igreja. Ef 5:22-33

 

2 – O verdadeiro Jejum bíblico – Na bíblia encontramos o verdadeiro jejum que agrada a Deus (Isaias 58:3-11). Observe que já no velho testamento Deus estava contra o jejum que o povo apregoava.

 

Por que temos nós jejuado, dizem eles, e tu não atentas para isso? Por que temos afligido as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais, jejuais para contendas e rixas, e para ferirdes com punho iníquo e exigis que se façam todos os vossos trabalhos!

 

Jejuando vós assim como hoje, a vossa voz não se fará ouvir no alto. Seria esse o jejum que eu escolhi? O dia em que o homem aflija a sua alma? Consiste porventura, em inclinar o homem a cabeça como junco e em estender debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isso jejum e dia aceitável ao Senhor? Acaso não é este o jejum que escolhi? Que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo? E que deixes ir livres os oprimidos, e despedaces todo jugo?

 

Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados? Que vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne? Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará. E a tua justiça irá adiante de ti; e a glória do Senhor será a tua retaguarda.

 

Então clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás, e ele dirá: Eis-me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo, e o falar iniquamente; e se abrires a tua alma ao faminto, e fartares o aflito; então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio dia. O Senhor te guiará continuamente, e te fartará até em lugares áridos, e fortificará os teus ossos; serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca falham. 

 


3 – A Diferença entre o Velho e o Novo – Jesus ilustra, usando as figuras do remendo de pano novo em vestido velho, e do vinho novo em odres velhos nos ensinando que não se pode ter uma genuína experiência com Deus, nem tampouco se fortalecer no Espírito através de Sua Presença por meio do jejum ou outra prática qualquer, com base nos velhos rituais religiosos.

 


A nova relação com Deus, só combina com novas disposições de coração, mente e vontade. Os discípulos dos fariseus e os de João, estavam perdendo a oportunidade de desfrutar do vinho novo, porque seus odres estavam envelhecidos pela tradição e pelos costumes, que só os condicionavam a uma velha maneira de viver. Eles tinham dificuldades de romper com esse estilo de vida para receberem o vinho novo de Jesus.

 


Conclusão: As velhas tradições religiosas estavam impedindo que algumas pessoas pudessem ter uma nova experiência com Jesus. Há uma urgente necessidade de se romper com os velhos padrões de conduta para abraçar uma nova vida em Cristo, aqui representada pelo vinho novo.






Voltar