Apostilas | Bem aventurados os que não desistem | Comunidade Cristã Amor e Graça

 
 
  Bem aventurados os que não desistem

Bem aventurados os que não desistem

Introdução: “Irmãos, tomai por modelo no sofrimento e na paciência os profetas, os quais falaram em nome do Senhor. Eis que temos por felizes os que perseveraram firmes. Tendes ouvido da paciência de Jó e vistes que fim o Senhor lhe deu; porque o Senhor é cheio de terna misericórdia e compassivo” (Tg 5:10-11). A tendência da alma humana é o desanimar frente à grandiosidade dos desafios que enfrentamos ao longo da vida. Os nossos dias são cheios de tribulações, porém a Palavra de Deus nos instrui como devemos viver e vencer.

 

 

1. Entenda uma lei da vida:

 

Existem leis da vida que atuam continuamente sobre nós e precisamos aprender a lidar e vencer - “Tudo sucede igualmente a todos: o mesmo sucede ao justo e ao perverso; ao bom, ao puro e ao impuro; tanto ao que sacrifica como ao que não sacrifica; ao bom como ao pecador; ao que jura como ao que teme o juramento” (Ec 9.2). Mas por que e quando o justo enfrenta as mesmas coisas que o perverso?

a) Na falta de sabedoria: “O temor do Senhor é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino” (Pv 1.7). Veja o que disse Davi em Salmo 25:12-13: “Ao homem que teme ao Senhor, ele o instruirá no caminho que deve escolher. Na prosperidade repousará a sua alma, e a sua descendência herdará a terra”. Analise Tiago 1.5: “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida”.

b) No relaxamento: Desvaloriza o que têm e despreza o que Deus dá. Exemplos: finanças, família, ministério, etc.

c) No relacionamento distante de Deus: O pecado traz tribulações a fim de gerar arrependimento pois é uma quebra de aliança com Deus.

 

 

2. Ter entendimento da situação e usar o potencial

 

a) A mulher com o fluxo de sangue: “...tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe a veste. Porque, dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada. E logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo” (Mc 5.27-29)

b) O treinamento que recebemos ao longo da vida nos ajuda a passar pela tribulação: “Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Fp 4:12-13).

 

 

3. Não se isolar

 

No meio da tribulação se nos isolarmos, principalmente da palavra de Deus, ficamos vulneráveis aos pensamentos carnais e nenhuma sabedoria há nisso. “ Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e as boas obras. Não deixemos de congregar-nos como é costume de alguns...” (Hb 10:24-25). Veja ainda: “O solitário busca o seu próprio interesse e insurge-se contra a verdadeira sabedoria” (Pv 18.1).

 

 

4. Não transferir responsabilidades

 

A postura de Adão quando pecou foi de transferir a responsabilidade para Eva – “Então, disse o homem: A mulher que me deste por esposa, ela me deu da árvore, e eu comi” (Gn 3:12). O pecado de Eva diz respeito às mulheres – “E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará” (Gn 3:16). O pecado de Adão diz respeito à toda humanidade – “E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás” (Gn 3:17-19).

 

5. Ter paciência

 

“E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rm 12.2). A paciência produz três coisas:

 

a) Nos livra da precipitação – “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado” (Pv 19.2).

b) Produz equilíbrio emocional – Livra da ansiedade e do desânimo.

c) Livra do pecado da murmuração – “Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador” (1 Co 10:10).






Voltar