Apostilas | A restauração após a queda | Comunidade Cristã Amor e Graça

 
 
  A restauração após a queda

A restauração após a queda

Texto:  “Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio?” (Mt 7:3).

 


Introdução: Estar de pé na presença do Senhor é o sonho de todo verdadeiro cristão, porém muitos caem e isto acontece por falta de observância ao que o apóstolo Paulo nos instruiu em 1Co 10.12: “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia”.

 

 

 Causas da queda:

 


a. Quem quer ser amigo do mundo cai da fé

 


O que não valorizamos perdemos. Quem não coloca Deus como seu maior tesouro, o perderá.

 


“Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tg 4.4). 

 


b. Quem não testifica do Senhor acaba negando-o.

 


Todos nós temos um determinado tempo para frutificarmos na obra. Ou seja, deixar a nossa carne de lado e servir ao Espírito, mas quando não fazemos isso e deixamos a carne dominar, vamos acabar negando a Cristo como fez Pedro.

 


“Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus; mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus” (Mt 10.32,33).

 

 

“E, quando acenderam fogo no meio do pátio e juntos se assentaram, Pedro tomou lugar entre eles. Entrementes, uma criada, vendo-o assentado perto do fogo, fitando-o, disse: Este também estava com ele. Mas Pedro negava, dizendo: Mulher, não o conheço. Pouco depois, vendo-o outro, disse: Também tu és dos tais. Pedro, porém, protestava: Homem, não sou. E, tendo passado cerca de uma hora, outro afirmava, dizendo: Também este, verdadeiramente, estava com ele, porque também é galileu.

 

 

Mas Pedro insistia: Homem, não compreendo o que dizes. E logo, estando ele ainda a falar, cantou o galo. Então, voltando-se o Senhor, fixou os olhos em Pedro, e Pedro se lembrou da palavra do Senhor, como lhe dissera: Hoje, três vezes me negarás, antes de cantar o galo. Então, Pedro, saindo dali, chorou amargamente” (Lc 22.55-62).

 

 

c. Quem não perdoa perde a comunhão com o Pai

 


Quem não perdoa, não é perdoado e afastado da presença do Pai.

 

“E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas.” (Mc 11.25,26).

 


Quem não serve a Deus mas sim a sua carne, sempre terá a reação de condenar ao próximo pelos erros de suas atitudes. Ex. Adão culpou Eva por ele ter agido segundo a carne, por isso, se alguém chegar a você  tentando justificar os seus erros condenando ao próximo, está usando a mesma desculpa de Adão.

 


d. Procurar defeitos nos outros leva ao um mau final

 


A soberba e os reinos pessoais precedem a queda. Desonra gera desonra. 

 


 “Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão” (Mt 7.3-5)

 


e. Amar ao mundo reconduz ao mundo.

 


O que valorizamos cresce. Valorizar o mundo amando-o levará ao mundo.

 


“Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente” (1 Jo 2.15-17).

 

 

Conclusão: O nosso Deus é misericordioso e sempre nos proverá mais uma chance se realmente houver arrependimento. Volte hoje à sensatez, pois como o Pai do filho pródigo, Ele está a sua espera de braços abertos. 






Voltar