Apostilas | A Graça de Deus - Parte III | Comunidade Cristã Amor e Graça

 
 
  A Graça de Deus - Parte III

A Graça de Deus - Parte III

A melhor maneira de compreensão do que é a Graça, é ver como ela se contrasta com as coisas da Lei: 

 


1) Ela se diferencia da lei em sua origem e natureza:

 

"Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo" (João 1:17). Jesus Cristo é o principio da Graça; após sua morte na cruz, o véu se rasgou de cima a baixo e é exatamente aí que se dá início ao pacto da Graça. Moisés era a voz da lei; Cristo era o porta-voz da graça. No que a lei se diferencia da graça?

 

É a natureza da lei fazer demandas; é a natureza da graça outorgar bênçãos. A lei foi um ministério de condenação; a graça é um ministério de justificação. A lei coloca o homem a uma distância de culpa do Senhor; a graça traz o homem para perto de Deus. A lei condena o melhor dos homens; a graça salva o pior dos homens. A lei diz: "Faça e viverás"; a graça diz: "Crê e viverás". A lei exige perfeição; a graça providencia a perfeição. A lei escraviza, a graça liberta. Enquanto o homem estiver debaixo da lei, ele está perdido (Gálatas 3:10). O único modo para o homem escapar do julgo da lei é viver a graça pela fé em Jesus Cristo, "Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que nele crê" (Romanos 10:4). 

 


2) A graça se contrasta com o pecado em seu domínio:

 

"Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, e sim da graça". (Romanos 6:14-23). O pecado reina para a morte; mas a graça para a vida eterna. O pecado recebe seu poder de condenação através da lei; mas a graça rouba do pecado este poder (1 Coríntios 15:55-57).

 

Para os que vivem na lei a única e verdadeira fonte de perigo é a lei violada, pois uma vez que isso acontece, muitos se punem por toda a vida por terem quebrado suas normas.  O único meio de verdadeiro escape é a lei cumprida a qual Cristo cumpriu totalmente em nosso lugar para que vivêssemos por sua Graça. 

 

 

3) A graça se contrasta com as obras para salvação:

 

"Pois pela graça sois salvos por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras para que ninguém se glorie"(Efésios 2:8-9). A salvação é pela graça do Criador em lugar das obras da criatura. A salvação pela graça exclui a possibilidade de obras, como por exemplo: sacrifícios, rituais, cerimônias, simbologias, etc. A salvação pela graça não dá ocasião para o homem se gloriar. Toda gloria é dada a Deus. 

 


4) A graça se contrasta com dívida quanto a causa da salvação:

 

"Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida. Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça". (Romanos 4:4-5).

 

O pensamento aqui é que o homem que recebe o salário pelas suas obras, não recebe da dádiva da graça, mas recebe do que lhe é devido. Não existe graça onde o homem recebe por causa do que merece ou ganha. Graça exclui a noção de débito ou obrigação. A salvação pela graça implica que Deus não é obrigado a salvar. Se existe uma obrigação da parte de Deus para com o homem, não seria a graça a causa da salvação. Foi pela graça (favor imerecido) e não por obrigação alguma que o Sr. Jesus Cristo nos salvou. A graça nos encontra como pobres mendigos e nos deixa como devedores. 

 






Voltar